quinta-feira, 18 de novembro de 2021

Conferência Internacional: Ambiente e Gestão Sustentável dos recursos florestais, piscatórios e dos inertes de STP

Da esquerda para a direita: Ana Filipa de Oliveira - representante da ACEP, Vinicius de Pina - Ministro da Juventude,
Desporto e Empreendedorismo, Rui Carmo - Embaixador de Portugal em STP, Cândido Rodrigues - Presidente da FONG STP




A terceira quinzena da Cidadania promoveu no no centro Cultural Português a Conferência Pública sobre o tema “ Ambiente e Gestão Sustentável dos recursos florestais, piscatórios e dos inertes de STP”.

O evento foi presidido pelo ministro da Juventude e Desporto Vinícios Pina em Substituição do primeiro-ministro que por motivos de agenda não pode comparecer. Diversas individualidades e parceiros encheram a plateia para um debate acesso acerca da cidadania. A realização desta actividade segundo o presidente da FONG , Cândido Rodrigues reveste-se “ de singular importância para nós enquanto santomenses e enquanto agentes capazes de impulsionar a mudança. Primeiro porque todos nós estamos sujeitos as ameaças naturais e sobretudo em São Tomé e Príncipe por sermos ilhas. Esta situação deve nos deixar atentos. E porque estamos em tempos de crise a arte de gerir torna-se determinante para o sucesso ou o fracasso da nossa nação. A Sociedade Civil Organizada e os cidadãos em geral podemos contribuir também para que os recursos sejam geridos da melhor maneira possível, melhorando a nossa participação de acordo com os diferentes mecanismos existentes”, disse.

A representante da Associação para a Cooperação entre os Povos, Ana Filipa Oliveira sublinhou que só com a união de todos será possível “ promover e melhorar a questão dos recursos naturais no país. Pois, STP embora seja um país riquíssimo em termos de recursos naturais está a fazer a sua gestão de forma pouco criteriosa ou poderia adoptar outras formas de explorar esses recursos. Por outro lado, esta conferência tem a feliz coincidência de acontecer no rescaldo da COP 26. O Presidente da República de STP alertou para esta ameaça real para o país, referiu que São Tomé e Príncipe já perdeu cerca de 4% da sua massa terrestre e se nada for feito esse avanço do mar vai continuar. Portanto esse é um tema quente , que preocupa muito a OSC e deve estar na ordem do dia”, referiu a representante da ACEP.

Na sua intervenção, o embaixador de Portugal em STP, Rui do Carmo, sublinhou que é preciso que seja dada mais voz a sociedade civil “para que possa participar activamente e de forma informada na definição, monitorização e avaliação das políticas públicas dos respectivos países. Hoje é consensual o papel desempenhado pela sociedade civil na construção e consolidação de sistemas democráticos assentes na criação de políticas eficazes e instituições eficientes que respeitem o estado de Direito e tenham em conta as necessidades dos cidadãos”, sublinhou o embaixador de Portugal.

Tendo em conta as práticas danosas do homem na natureza e o contexto das medidas para mitigar as alterações climáticas, a sociedade Civil deve continuar a ter uma palavra a dizer como avançou em video conferência a embaixadora da União Europeia para São Tomé e Príncipe e CEEAC, Rosário Bento Pais.

“Os cidadãos devem respeitar as regras mas também participar no desenvolvimento dessas regras. A conjugação de direitos e deveres também se aplica ao meio ambiente. E de forma a contribuir para o compromisso mundial mais vasto a favor das florestas no quadro da CP26 a União Europeia contribuirá com um montante de mil milhões de euros durante cinco anos com o intuito de conservar, restaurar e garantir a gestão sustentável das florestas de uma maneira global”, disse Rosário Bento Pais.

O ministro da Juventude e Desporto enalteceu a importância do tema escolhido nesta conferência para o país e para o Estado Santomense. Vinícios Pina avançou que “ são temas que estão na pauta de agenda política de vários países e São Tomé e Príncipe não pode ficar de fora considerando a problemática da questão do ambiente, da gestão sustentável, recurso florestal que é algo que o nosso país deve ter muita atenção, tendo em conta a nossa insularidade, a nossa pequinés. Isto faz com que este tema deva permanecer na agenda de todos. É uma preocupação que deve extrapolar o governo, deve ser envolvido diversos parceiros e nesta óptica quero aqui agradecer em nome do governo todo apoio da União Europeia para que nós pudéssemos estar aqui nesta conferência. Nós, enquanto estado, devemos continuar a lutar no sentido de combater todos os impactos causados pelas alterações climáticas”

De realçar que no quadro desta 3ª Quinzena da Cidadania, o Centro Cultural do Brasil-STP será palco esta sexta-feira a partir das 10h do debate sobre” o impacto da pandemia na vida das mulheres e possíveis soluções”. Está previsto também o atelier com Crianças e Jovens sobre a temática do Ambiente, no atelier M.

Sem comentários:

Enviar um comentário